quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Meus Medos na Gravidez...

Oláááá!!!

Esses dias, me peguei pensando sobre o desenvolvimento da gravidez e como abril está chegando, já que o tempo anda meio apressado! kkkk Fiquei pensando em cada sentimento e interrogação que passou e, ainda passam, pela minha cabeça.

No início, quando começamos a cogitar aumentar a família, o medo era de saber se estava na hora certa, justamente, porque ainda estávamos envoltos com as contas do apê de SJC. Mas, a vontade bateu mais forte e, num impulso, parei com a pílula. Eu pensava que iria demorar um pouco para acontecer, então seja o que Deus quiser! 
A primeira menstruação sem pílula atrasou, o que, lógico, me iludiu! kkkk Fiquei 4 dias na agonia e, lembro o quão triste fiquei quando ela apareceu! Aí, veio o medo de ficar paranóica toda vez que um ciclo estivesse terminando. Racionalmente, a gente sabe que é normal tentar até 1 ano sem investigações, mas, emocionalmente, é uma tortura!!!

Minha sorte, é que Deus quis logo e, no segundo ciclo, já vi as duas listrinhas mais lindas dessa vida!!! A gente quer tanto, mas na hora que acontece, dá um susto e um arrepio. Eu fiquei tão feliz, que nem pensei muito nisso. Meu foco era saber se estava tudo certo! 

E aí começam os medos de verdade!!! Os meus tem sido por etapas...

Medo #1: Logo quando descobri, queria saber se a gestação era tópica, ou seja, se estava no útero certinho! Fiz ultrassom 3 dias depois da descoberta, não dava para ver o embrião, mas o saco gestacional e a vesícula estavam lá direitinho, no lugar deles. Ufa!

Medo #2: As cólicas que sentimos logo no inicio! Gente, que medo de ser uma cólica de expulsão do embrião! Toda vez ia no banheiro ver se tinha algum sangue!

Medo #3: Fazer o segundo ultrassom e, não ver o embrião ou não ouvir o coração. Lembro, que senti um alivio, assim, que vi um serzinho lá dentro se mexendo! Quando ouvi o coração então, senti uma felicidade indescritível!

Medo #4: Terceiro ultrassom, para medir a translucência nucal e o osso nasal. Só relaxei quando a médica disse que estava tudo dentro da normalidade. Respirei tão aliviada, que ela percebeu e começou a me mostrar todo o feto, parte por parte, e demorou no coraçãozinho só para ficar ouvindo um pouco mais. Foi nesse ultra, que ela chutou ser a Ana Luisa.

Medo #5: Próximo ultrassom será para confirmar o sexo e, confesso que estou apreensiva, embora meu coração sinta ser a Analu desde o início. Bobo, né?! Eu sei!

Medo #6: As estrias. Minha barriga resolveu aparecer de vez, de repente me vi sem aquele calombo e com uma forma mais definida de grávida. Tenho tanto medo delas, que meu tcc da pós foi justamente sobre estrias gravídicas!!! kkkk E, embora tenha sido super elogiado pela coordenação, fiquei meio triste com o que estudei e escrevi, pois não é algo fácil de ser tratado, mesmo com tantos tratamentos e tecnologias à nossa disposição, e a prevenção é na sorte, porque nada impede o seu aparecimento, se elas tiverem que vir!!!

Medo #7: A ultra morfológica. Essa está marcada para o meio de dezembro e, espero que esteja tudo dentro dos conformes com o desenvolvimento da nossa baby!

Medo #8: Parto. Esses dias assisti o "Renascimento do Parto" e, ver aquelas mulheres gritando e sentindo dor me arrepiaram. Tenho pavor de sentir dor e, isso me preocupa deveras. Já falei, que pretendo ter parto natural e minha médica também, mas quem manda é o meu corpo e a saúde do bebê. Então, se estiver tudo certo para tentar o natural e, meu corpo responder bem ao trabalho de parto, ótimo! Mas, não vou me acanhar em pedir anestesia, se for preciso, nem ficar triste, se tiver que partir para uma cesárea. Isso, só o momento vai dizer, só me resta esperar e não pensar muito nisso! rsrsrs

Medo #9: Que o bebê tenha algum problema. Óbvio, que toda mãe e todo pai, quer que seu filho nasça saudável e sem nenhum problema. Nesse caso, minha tarefa é ser o mais saudável possível durante a gestação e, tomar todos os cuidados que a gravidez exige. De resto, entregar nas mãos de Deus!

Medo #10: Amamentação. Todo mundo fala das maravilhas que é o momento de amamentar, do vínculo que se forma entre mãe e filho, que é o alimento mais completo para o bebê e, que não existe leite fraco... O problema é que, poucas tem coragem de dizer que, na maioria dos casos, não é fácil, que dói pra caramba e que precisa de insistência e de ajuda para a pega correta, além de auxílio, quando tem algum problema com o bico dos seios, como rachaduras e inversão, por exemplo! É claro que, espero que comigo seja tudo bem, mas tenho plena consciência, que pode não ser um mar de rosas! Acho que é uma defesa minha, esperar pelo pior, assim se for mais brando, será lucro! rsrsrs

Medo #11: Depressão pós-parto. Esse, é um que evito pensar ao máximo, porque é imprevisível.

Medo #12: Da solidão. Estamos sozinhos nessa cidade, sem família por perto, então, sei que ficarei muito tempo em casa só eu e ela, já que marido estará trabalhando. No primeiro mês, minha sogra disse que vai ficar aqui, mais para me ajudar no pós-parto do que me ensinar a cuidar da baby, já que isso eu tenho noção, graças ao "estágio" que fiz, cuidando das minhas irmãs quando nasceram. Mas, depois, sem ninguém aqui para conversar ou visitar, não sei como vai ser. Espero que minha família venha sempre pra cá e, acho que vou amar as idas ao pediatra, e rezar para a Lulu poder sair logo para passear! kkkk. Até já combinei com o marido uma viagem curta, quando ela tiver uns 6 meses, só para espairecer e a gente namorar um pouco, mesmo à três!!! rsrsrs

Ainda tem muita estrada pela frente, faltam 5 meses para a chegada da nossa princesa, então pode ter certeza que outros medos irão aparecer. Para não ficar pensando muito neles, foco na organização da casa e nos preparativos para a chegada dela, mas isso é assunto para outro post!

E aí, quais medos vocês sentem ou já sentiram?

18 comentários:

  1. Oi!

    não estou grávida e nem sou tentante, mas acredito que esses medos sejam normais para quase todas as mulheres!!
    Adorei o nome escolhido, Analu!!! =)

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São normais mesmo, Gabi! Rsrsrs
      Obrigada pelo carinho!
      beijossss

      Excluir
  2. Se eu te disser que tenho todos estes medos e mais alguns que vc não mencionou (como morrer no parto, por exemplo) vai te deixar mais tranquilha? Acho que não né...rsrsrs...mas acredito que eles fazem parte dessa fase e depois outros medos virão, não tem jeito...bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, o meu consolo é que todas nós sentimos esses medos! Tranquila a gente não fica, mas nos sentimos unidas! O medo de morrer no parto eu não quero nem pensar, já que minha mãe faleceu no parto do meu irmão! Vou me ocupar com os outros medos! kkkkk
      Beijão

      Excluir
    2. Poxa Bárbara, sinto muito!! Melhor nem pensarmos nisso mesmo :(

      Excluir
    3. Preocupa não! Só pensar em coisas boas, que no final vai dar tudo certo! Bjos

      Excluir
  3. Bárbara, seria interessante um post só sobre as estrias gravídicas.
    Mesmo que não seja muito animador, pois grávidas tendem a ser enganadas por dermatologistas e esteticistas pela fragilidade do momento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma boa ideia, Carine! Uma espécie de resumo do meu tcc, pode ser?!
      Beijossss

      Excluir
    2. Sim, um resumo seria ótimo, pois é um trabalho científico com informações realmente corretas. Beijos!

      Excluir
  4. Parece que fui eu que escrevi...os mesmos medos que tenho. ehhe
    Beijos pra vc e Analu

    ResponderExcluir
  5. Barbara,

    Recém casei, então filhos são um projeto futuro, mas estou me divertindo com o seu blog! Desde que estreitamos os laços via instagram, leio sempre o que vc escreve aqui. Uma delícia de espaço!

    Os medos fazem parte. Acho que cada fase da vida tem os seus, mas com certeza os da maternidade são os piores porque envolvem outra peesoa que depende de vc para tudo. Minha experiência de quem entrou pra uma família cheia de bebês (10 nascidos em 2014 e 4 a caminho na família do marido), posso te garantir que eles são um excelente sinal. Sinal de que vc está preparada para missão que abraçou, que se preocupa com sua filha, que tem noção da seriedade que a criação e a formação de outro ser humano envolvem.
    Vai dar tudo certo! Tenho certeza!

    E não se sinta só! A amiga aqui tá às ordens, viu? Quando a solidão apertar, manda um whatsapp, um email, um sinal de fumaça.... hahahaha

    Analu, vc é uma menina de sorte, viu? Papai do Céu escolheu uma super mamãe pra vc...

    Beijo enorme e continue o bom trabalho no blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larinhaaaa!
      Chorei com seu comentário, ando meio emotiva! rsrsrs
      É muito bom ler palavras com tanto carinho e afeto! Desde que a gente se "reencontrou' no insta, ficamos uma torcendo pela outra, mesmo em fases diferentes!!!
      Pode ter certeza que a recíproca é super verdadeira, estou sempre à disposição, pro que der e vier!
      Muito obrigada mesmo por acompanhar essa fase de descobertas!
      Que Deus te ouça e que eu consiga ser uma mãezona!!!
      Beijão

      Excluir
  6. Esses medos na gravidez...tive medo até o terceiro mês,depois no oitavo mês com a perda de líquido e no dia do parto nem me fale rs...mas faz parte do processo da maternidade,afinal todos esses medos é para recebermos o melhor presente que uma mulher poderia ganhar.Bjs!
    www.umamulhersupermae.com

    ResponderExcluir
  7. Barbara

    Não fique tão angustiada, procure não pensar nos medos e inseguranças. Na hora da necessidade, a gente aprende e o instinto materno fala mais alto e vc saberá diferenciar o chorinho de fome, de cólica (simmmm, mts bebezinhos tem cólicas, mas elas passam). Tenho um único filho de 22 anos e até hoje me preocupo muito com ele.
    A gente começa a se preocupar com o filho desde o momento em que descobre que está grávida (se vai ter saúde, se vai ser perfeitinho.... e tantas outras coisas que passam na nossa cabeça, e acredito que é assim até o nosso último dia de vida e no último instante de lucidez, provavelmente será para nosso filho nosso pensamento.
    Procure curtir bem a gravidez, a barriga crescendo, e todas as mudanças que ocorrem, te digo uma coisa passa tão rápido que depois dá saudade. Ter preocupações é normal, mas não sofra com isso.
    Fica com Deus, procure ter uma gestação beeeemmm tranquila, fique longe de ansiedades e inseguranças, fortaleça seus laços familiares (marido, sogra............. gente que te ama de verdade) e a sua filhinha sentirá todas essas vibrações positivas, afinal, os filhos são um presente de Deus.
    bj
    Adriana

    ResponderExcluir
  8. Tenho três pequenos (6 anos, 4 anos e 1 ano e 10 meses) e em cada uma das gestações esses medos apareceram. É normal a gente pensar assim. Nos fonal, tudo sempre dá certo!

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Hoje tenho 2 filhos, Nathan 10 anos e Matheus 7; Mas a minha 1ª gravidez foi anembrionada,coisa que nunca tinha ouvido falar, eu estava com 3 meses e sem preparo nenhum, o médico que me deu a noticia foi muito grosseiro e sem tato, entre outras coisas.
    Então meu medo começou antes mesmo de engravidar, tive medo de tudo até do som do telefone! imagina?! e eu sabia que ficaria no hospital sozinha ( isso me apavorava, pois com ser tão pequeno o que eu iria fazer? minhas primas tinham as mães e eu não teria ninguém.)
    Mas foquei nas prioridades: em Deus, no bem estar do baby e em muita informação sem me deixar influênciar por coisas ruins.
    Deu tudo certo graças a Deus, fui para o Hospital já sabendo que iria ficar internada e preparada para o parto normal que foi super tranquilo, meu filho nasceu as 11:15 e as 14:30 eu já estava andando na portaria. Dor? senti e foi muita, mas depois que o baby nasce some completamente!
    Meu segundo filho também foi parto normal por opção minha.
    Te aseguro que medo é normal, é dificil ser superado e sempre surge algo novo p/ te assustar,
    mas vc consegue vencer; não deixe nada te influênciar, pois o controle é seu, administre o que vale p/ voce e só deixe entrar coisas boas.
    vai dar tudo certo! :)
    bjss
    Luciana.

    ResponderExcluir
  10. Oh querida, vai dar tudo certo!
    Tenho um filho de 2 anos e domingo me descobri grávida novamente (psss, só marido sabe). Gravidez tubária é o medo da semana (tenho consulta com US só dia 11 e domei o medo ao nao insistir para marcarem antes).
    Medos praticamente todas tem, ainda mais voce que infelizmente perdeu a mae num parto.
    Minha família é de parideiras (e meu primeiro parto confirmou a genétida e foi rapidíssimo e maravilhoso - amei mesmo, se eu pudesse ter um desejo para a humanidade seria que todas as mulheres pudessem ter bons partos), mas mesmo assim alguns medos me rondaram, é normal.
    A única dica é se preparar, ler, racionalizar, conversar com consultoras (de amamentacao ou doulas, por exemplo), se informar sobre opcoes de pediatras. No mais a gente tem que pensar positivo, ver que a estatística está a nosso favor.
    Quanto a família longe. Vivo a mesmo situacao, a pessoa mais perto está a 6h de viagem. A gente aprende a se dividir com marido para cada um ter um tempo para si e aproveita enquanto o filho dorme para ficar junto com o marido. As visitas de familiares viram momentos de se poder sai como casal.
    Tenta formar uma rede com recém mamaes do curso de preparacao para o parto, ioga, parquinho, etc. Fiz duas boas amigas no curso de parto e sempre nos encontramos. Os meninos, que nasceram pertinho, se amam e elas sao pessoas de referência para ele e para nós (numa emergência, por exemplo).
    Ah, nao precisa esperar 6 meses para viajar nao, aliás enquanto ainda só mama no peito é uma praticidade só para viajar, com poucos meses meu filho atravessou o oceano (família longe) e foi bem mais fácil que ele com 1 ano. Pode passear assim que você sentir vontade. Enfia o bebe num sling e vai tomar um ar fresco, buscar pao quentinho na padaria, o que você quiser (os cine materna sao ótimos, por exemplo).

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar um recadinho e fazer essa blogueira feliz!